24 de março de 2021

A Ciência no Emaranhado dos Jogos de Poder: Reflexões sobre o lugar da Saúde Coletiva no contexto da pandemia da Covid-19

Autor: Carmen Teixeira*


Carlos Matus, em seu último livro, intitulado “Teoria do jogo social” (Matus, 2005), publicado postumamente, considera o sistema social como um grande jogo, complexo, nebuloso e de final aberto, composto por vários jogos individuais, simultâneos, que coexistem no mesmo tempo e no mesmo espaço, indivisivelmente entrelaçados.


Buscando identificar e analisar os diversos jogos, propõe a existência de 9 jogos de poder: o jogo político, o econômico, o jogo da vida cotidiana, o pessoal, o comunicacional, o macro organizacional, o jogo dos valores, o jogo das ciências e, por fim, o jogo da natureza.


Segundo o autor, “cada jogo tem uma lógica, uma função e critérios particulares de validação. No jogo político impera a lógica do poder e da força, ao passo que no jogo das ciências só é válida a lógica da argumentação e da verificação empírica. No jogo econômico esta argumentação não tem peso, e é substituída pela lógica do mercado, a qual, é inaplicável ao jogo dos valores, onde opera a lógica da aceitabilidade. O jogo da natureza tem sua própria lógica nas leis naturais, enquanto o jogo pessoal é regido pela lógica dos ganhos e perdas em posições pessoais” (Matus, op. cit. p. 352).


Os critérios de validação também são diferentes. No jogo das ciências, os conhecimentos produzidos e propostas de ação dele derivadas são validadas como verdadeiras ou falsas, ao passo que no jogo político o que conta é a efetividade social, ou seja, a possibilidade de determinada ação gerar acumulação ou perda de poder. No jogo pessoal o que vale é o grau de satisfação individual obtida. Já o jogo da comunicação opera em função da inteligibilidade dos atos de fala, ou seja, da capacidade do emissor, seja uma pessoa, um sujeito coletivo – entidade, associação, partido político – e, no geral, os meios de comunicação de massa – produzirem enunciados compreensíveis, capazes de sensibilizar e induzir comportamentos no receptor, isto é, nas pessoas individualmente e nos grupos sociais, reforçando, justificando ou modificando suas crenças, opiniões, conhecimentos e valores.


Pensando sobre o que estamos vivendo, no momento atual, imersos no emaranhado desses jogos que se reproduzem cotidianamente diante de nossos olhos e ouvidos conectados na caudalosa produção de informações, notícias e debates sobre a pandemia da Covid-19, uma questão especifica me mobilizou a resgatar a contribuição de Matus, qual seja:


Qual o lugar que a produção de conhecimentos científicos no campo da Saúde Coletiva tem ocupado (e pode ocupar) no jogo das ciências que vem sendo jogado acerca da pandemia? A partir desta, outra questão se colocou: como os resultados desse jogo têm afetado, ou não, os demais jogos, especialmente o jogo da comunicação social e o jogo político?

 

Clique aqui para ler o texto na íntegra.

 

*Doutora em Saúde Pública, Professora Titular (aposentada) do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da UFBA e docente do PPGSC/ISC -UFBA. Integrante do Núcleo Baiano do CEBES.



699 views
comentários
compartilhar

1 Comentário(s)


Texto excelente. Parabéns Carmen

Por: Mitermayer Reis em 24 de março de 2021 às 13:51:00

Postar um comentário


Antes de postar, por favor, leia nossos termos de uso.




Li e concordo com os termos de uso.

Termos de uso para publicação de comentários nos sites do OAPS e CDV


Estes são os termos de uso que orientam nossa relação no site Análise Política em Saúde, especialmente no espaço destinado a comentários. A leitura destas diretrizes é fundamental para compreensão da proposta deste espaço de discussão.


O espaço para comentários está destinado exclusivamente ao compartilhamento de informações, experiências e dúvidas, além de análises e reflexões críticas sobre temas relacionados ao objeto do Projeto Análise de Políticas de Saúde no Brasil (2013-2017), conforme disposto em documento disponível para consulta e download aqui http://analisepoliticaemsaude.org/oaps/quem-somos/apresentacao.

Todos os comentários passam por um processo de moderação antes da publicação com o objetivo de verificar a adequação aos seguintes termos de uso:

Não serão permitidos comentários que divulguem ou incentivem a) ações ou ideias discriminatórias em razão de raça, gênero, orientação sexual, religião, crença, deficiência, etnia, nacionalidade ou condição social; b) desrespeito à Legislação Brasileira; c) assédio, perseguição, ameaças, intimidações ou chantagem a terceiros; d) spams, conteúdos promocionais e mensagens com fins comerciais ou publicitários; e) materiais com vírus, dados corrompidos, ou qualquer outro elemento nocivo ou danoso; f) violação de propriedade intelectual ou industrial de terceiros. São expressamente proibidos comentários com palavrões ou qualquer tipo de linguagem ofensiva e/ou obscena.

Instituto de Saúde Coletiva • Universidade Federal da Bahia • Rua Basílio da Gama, s/n • Campus Universitário do Canela • 40.110-040 • Salvador-Bahia • +55 71 3283-7441 / 3283-7442
© 2021 Observatório de Análise Política em Saúde. Todos os direitos reservados.