12 de junho de 2018

Estudo prevê impacto de medidas de austeridade no aumento da mortalidade infantil

Autor: Equipe de Redação


Estudo publicado no periódico norte-americano PLoS Medicine aponta que o congelamento de investimentos em saúde, previsto pela Emenda Constitucional 95, deverá ter como consequência o aumento da mortalidade infantil no Brasil. Tema de reportagem do El País, a pesquisa desenvolvida por Davide Rasella, Sanjay Basu, Thomas Hone, Romulo Paes-Sousa, Carlos Ocké-Reis e Christopher Millett simula quantas mortes de crianças menores de cinco anos poderiam ser evitadas até 2030 se os programas Bolsa Família e Estratégia de Saúde da Família tivessem os orçamentos incrementados proporcionalmente ao aumento do número de pobres no país. Os resultados apontam que seriam 19.732 mortes a menos, até 2030, em comparação com o cenário atual, que prevê apenas correção dos orçamentos segundo a inflação do ano anterior.

 

O estudo já havia sido tema de reportagem do OAPS, quando o pesquisador Davide Rasella (IGM/Fiocruz) falou sobre a importância das pesquisas prospectivas ou de forecasting para apontar os prováveis efeitos da austeridade fiscal para a saúde dos/as brasileiros/as nos próximos anos. Em entrevista, ele explicou que a simulação do futuro foi construída a partir de parâmetros de estudos retrospectivos dos últimos 10 anos, gerando um estudo robusto, com dados sobre o Brasil, baseados no que aconteceu no país no passado. “Os modelos de parâmetros que nós pegamos não são da literatura internacional, não são de outros países, não são de outros estudos diferentes, mas são exatamente do Brasil”, afirmou em entrevista. Clique aqui para ler a matéria completa e aqui para acessar o boletim sobre possíveis impactos da crise na saúde da população brasileira.

 

O artigo “Child morbidity and mortality associated with alternative policy responses to the economic crisis in Brazil: A nationwide microsimulation study” está disponível neste link.



1328 views
comentários
compartilhar

Não existem comentários!

Postar um comentário


Antes de postar, por favor, leia nossos termos de uso.




Li e concordo com os termos de uso.

Termos de uso para publicação de comentários nos sites do OAPS e CDV


Estes são os termos de uso que orientam nossa relação no site Análise Política em Saúde, especialmente no espaço destinado a comentários. A leitura destas diretrizes é fundamental para compreensão da proposta deste espaço de discussão.


O espaço para comentários está destinado exclusivamente ao compartilhamento de informações, experiências e dúvidas, além de análises e reflexões críticas sobre temas relacionados ao objeto do Projeto Análise de Políticas de Saúde no Brasil (2013-2017), conforme disposto em documento disponível para consulta e download aqui http://analisepoliticaemsaude.org/oaps/quem-somos/apresentacao.

Todos os comentários passam por um processo de moderação antes da publicação com o objetivo de verificar a adequação aos seguintes termos de uso:

Não serão permitidos comentários que divulguem ou incentivem a) ações ou ideias discriminatórias em razão de raça, gênero, orientação sexual, religião, crença, deficiência, etnia, nacionalidade ou condição social; b) desrespeito à Legislação Brasileira; c) assédio, perseguição, ameaças, intimidações ou chantagem a terceiros; d) spams, conteúdos promocionais e mensagens com fins comerciais ou publicitários; e) materiais com vírus, dados corrompidos, ou qualquer outro elemento nocivo ou danoso; f) violação de propriedade intelectual ou industrial de terceiros. São expressamente proibidos comentários com palavrões ou qualquer tipo de linguagem ofensiva e/ou obscena.

Instituto de Saúde Coletiva • Universidade Federal da Bahia • Rua Basílio da Gama, s/n • Campus Universitário do Canela • 40.110-040 • Salvador-Bahia • +55 71 3283-7441 / 3283-7442
© 2019 Observatório de Análise Política em Saúde. Todos os direitos reservados.